Loading

SINDICATO
Sistema SICREDI
Sistema SICOOB
Sistema UNICRED
Sistema UNIPRIME
Sistema CRESOL
Sistema GREENCRED
Assessoria Jurídica

NOTÍCIAS

Economia brasileira encolhe 3,8% em 2015, pior resultado em 25 anos

A economia brasileira encolheu 3,8% em 2015 na comparaç...

Medida foi comentada durante reunião do Conselhão, em Brasília. Governo enviará proposta para verba do FGTS ser garantia de crédito.
Para estimular economia, governo anuncia R$ 83 bilhões em crédito

Medidas em estudo pelo Ministério da Fazenda devem ser anunciadas na quinta-feira
Governo quer injetar R$ 50 bilhões no crédito via bancos públicos

O governo deve liberar cerca de R$ 50 bilhões em linhas de...

Auditoria cooperativa: percepções iniciais sobre a Resolução CMN nº 4.454/15, por Ênio Meinen
Divulgada no último dia 17, a Resolução...



Coronavírus no Brasil | Brasil soma mais 1.312 mortes em 24 h, 47% no Sudeste; total é de 66.868
Brasil soma mais 1.312 mortes em 24 h, 47% no Sudeste; total é de 66.868
» Mauricio Stycer | JN reage à 'exclusiva' de Bolsonaro e não mostra imagens do presidente
» Mais de Bolsonaro com covid | Ministro requisita inquérito da PF para investigar artigo de colunista da Folha
» Volta do futebol | FPF quer retorno do Paulista no dia 22 e aguarda definição do governo de SP
» Futebol paulista | Além de Dudu, Palmeiras também negocia saída de Gustavo Scarpa
 
 
Na 9ª queda seguida, prévia do PIB do BC encolhe 0,52% em novembro 
Fonte: site Globo - G1 - 15/01/2016 - 11h03min Voltar
 

No ano, atividade recua 3,85% e, em 12 meses até novembro, 3,63%.Atualmente, economia está mergulhada em um cenário de recessão.

Alexandro Martello/ Do G1, em Brasília

A economia brasileira voltou a ter desempenho ruim em novembro, de acordo com indicações divulgadas nesta sexta-feira (15) pelo Banco Central. O chamado Índice de Atividade Econômica (IBC-Br), calculado pelo BC e que busca ser uma espécie de prévia do Produto Interno Bruto (PIB), registrou contração de 0,52% no mês retrasado.

Foi a nona queda mensal seguida do indicador. Em 2015, somente o mês de fevereiro (+0,53%) não teve contração mensal do nível de atividade, de acordo com os números revisados do BC.

O novo tombo da economia já era esperado, uma vez que indicadores mensais já apontavam para um cenário ruim. Segundo o o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), a produção industrial teve, em novembro, queda de 2,4%, mais forte desde dezembro de 2013, ao mesmo tempo em que o volume do setor de serviços registrou queda de 6,3% - a maior retração da série histórica do indicador, iniciada em 2012. Já as vendas no varejo tiveram o pior resultado em 12 anos.

O recuo da prévia do PIB, porém, foi menor do que o esperado anteriormente. A estimativa do mercado era de o IBC-Br recuasse cerca de 0,9% em novembro. Para o economista-chefe da Infinity Asset, Jason Vieira, a menor contração do IBC-Br, no mês retrasado, foi em parte beneficiada pelos números de vendas ao varejo acima das expectativas, puxadas pela Black Friday.

O PIB é a soma de todos os bens e serviços feitos em território brasileiro, independentemente da nacionalidade de quem os produz, e serve para medir o comportamento da economia brasileira. Segundo dados oficiais, a economia brasileira está atualmente em recessão técnica – que se caracteriza por dois trimestres consecutivos de queda do PIB.

Os economistas do mercado financeiro acreditam que o PIB vai mostrar retração de 3,73% em 2015. Se confirmada, será a maior contração em 25 anos – desde 1990, quando foi registrada uma queda de 4,35%. Para 2016, o mercado financeiro estima uma contração de 2,99%. Se a previsão se concretizar, será a primeira vez que o país registra dois anos seguidos de contração na economia – a série histórica oficial, do IBGE, tem início em 1948.

Parcial do ano e em doze meses

Os números do Banco Central mostram que, de janeiro a novembro deste ano, o indicador sem ajuste sazonal (pois considera períodos iguais de tempo) mostrou queda de 3,85% na atividade (com ajuste, a retração é de 3,88%) . E, no acumulado em 12 meses até novembro, o indicador (dessazonalizado) do Banco Central registrou contração de 3,63% (sem ajuste, é de - 3,53%).

Resultados do IBC-Br x PIB

O IBC-Br foi criado para tentar ser um "antecedente" do PIB. O índice do BC incorpora estimativas para a agropecuária, a indústria e o setor de serviços, além dos impostos. Os últimos resultados do IBC-Br, porém, nem sempre têm mostrado proximidade com os dados oficiais do PIB, divulgados pelo IBGE.

Em 2012, por exemplo, o IBC-Br mostrou um crescimento de 1,6%. Posteriormente, o resultado oficial do PIB mostrou uma alta menor, de 1%. Em 2013, o BC acertou. Previu uma alta de 2,5%, que foi depois confirmada com a revisão feita pelo IBGE. Em 2014, o BC estimava uma retração de 0,15% no PIB, mas os dados oficiais mostraram uma alta de 0,1% no ano passado.

O Banco Central já informou, em 2013, que o IBC-Br não seria uma medida do PIB, mesmo que tenha sido criado para tentar antecipar o resultado, mas apenas "um indicador útil" para o BC e para o setor privado.

Definição dos juros

O IBC-Br é uma das ferramentas usadas pelo BC para definir a taxa básica de juros (Selic) do país. Com o menor crescimento da economia, por exemplo, teoricamente haveria menos pressão inflacionária. Atualmente, os juros básicos estão em 14,25% ao ano, o maior nível em nove anos.

Pelo sistema de metas de inflação que vigora no Brasil, o BC precisa ajustar os juros para atingir as metas preestabelecidas. Quanto maiores as taxas, menos pessoas e empresas dispostas a consumir, o que tende a fazer com que os preços baixem ou fiquem estáveis.

Para 2016, a meta central de inflação é de 4,5%, com um intervalo de tolerância de dois pontos percentuais para mais ou para menos. Desse modo, o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), considerada a inflação oficial do país e medida pelo IBGE, pode ficar entre 2,5% e 6,5%, sem que a meta seja formalmente descumprida.

Neste ano, o mercado financeiro acredita que a inflação oficial ficará novamente acima do teto de 6,5% do sistema de metas. Em 2015, somou 10,67%, a maior em 13 anos, e estourou o a meta de inflação. Para os analistas dos bancos, a inflação somará 6,93% em 2016. O Banco Central tem dito que trabalha para trazer a inflação para dentro da banda do sistema de metas em 2016 e próxima do objetivo central, de 4,5%, em 2017.

 
Compartilhar:

Comentários:
Nome:
E-mail:
Comentário:
1

FALE CONOSCO  

Sede Londrina

Rua Arthur Jaceguai, 411
Itamarati – Londrina/PR
CEP: 86061-250

Fone:  
Fax:
(043) 3029-2040
(043) 3029-2011

E-mail: sindicred@sindicredpr.org.br

 

Delegacia - Curitiba

Av. Presidente Taunay, 1.106
Bigorrilho - Curitiba | Paraná
CEP: 80.430-000

Fone:  
(041) 3085-7446

E-mail: sindicred@sindicredpr.org.br

 

 

 

 

Acesso Rápido

Ministério do Trabalho
Ministério da Fazenda
Receita Federal
Caixa Econômica
Leis Trabalhistas CLT
FGTS
FAT
PIS


© 2012 SINDICRED PR - Todos os Direitos Reservados
Produzido por InovaSite